sábado, 15 de agosto de 2009

Gilberto Gil


É a sua vida que eu quero bordar na minha
Como se eu fosse o pano e você fosse a linha
E a agulha do real nas mãos da fantasia
Fosse bordando, ponto a ponto, nosso dia-a-dia

E fosse aparecendo aos poucos nosso amor
Os nossos sentimentos loucos, nosso amor
O ziguezague do tormento, as cores da alegria
A curva generosa da compreensão
Formando a pétala da rosa da paixão

A sua vida, o meu caminho, nosso amor
Você a linha, e eu o linho, nosso amor
Nossa colcha de cama, nossa toalha de mesa
Reproduzidos no bordado a casa, a estrada, a correnteza
O sol, a ave, a árvore, o ninho da beleza.

Um comentário:

Patrícia disse...

Ah, Mari....
Eu fiquei arrepiada agora ao reencontrar esse cantar poesia do Gil!!! É pura poesia, é puro encantamento...
Lindo, lindo, lindo...
E seu blog cada dia mais poético! Muito show...
bjks