sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Do pensamento dos outros

"...É que no fundo, a gente é isso mesmo: uma vontade de ir, outra de ficar. Algo que quer emergir, coisa que quer ancorar. Barco que sonha partir, remo que afunda no mar. É um jogo de forças, opostas. Uma mão que impede, outra que chama. A direita estende o veneno, a esquerda, o antídoto. Algo procura a saída, o que me salva, o que me ceda. Algo se detona e resigna, pára na estrada. Um corpo prostrado..."

Um comentário:

Marta Vasil disse...

Nas forças opostas do nosso existir vamos escolhendo o caminho: existindo e SENDO ou desistindo e deixando de SER.

Um abraço

MV